Manifestação no centro de Barbacena pede a reabertura do comércio

Ato aconteceu na tarde desta segunda-feira na rua XV de Novembro e Praça dos Andradas

Paulo Emílio Gonçalves/Portal CB

Uma manifestação pacífica realizada na tarde de hoje, segunda-feira (19), na rua XV de Novembro – maior centro comercial de Barbacena – e na Praça dos Andradas, no centro da cidade, pediu a reabertura das atividades comerciais, paralisadas há cerca de um mês por causa da “onda roxa” do programa Minas Consciente, que determina a flexibilização da economia durante a pandemia de Covid-19.

Mesmo após uma forte chuva que caiu por volta das 14 horas, o movimento, denominado “Reage Barbacena”, reuniu empresários e comerciantes barbacenenses. Os manifestantes vestiram roupas pretas e carregaram uma grande faixa, também preta, em sinal de luto pelo fechamento do comércio.

Abrindo a manifestação, um faixa com os dizeres “solidarizamos com o luto de todos”, mostrava que os participantes se preocupam com o que vem ocorrendo durante a pandemia, mas em outra faixa eles afirmavam que “economia e saúde precisam andar juntas”.

Os manifestantes usaram máscara e respeitaram o distanciamento social. Durante a caminhada, eles solicitaram que os comerciantes que estavam no interior de seus estabelecimentos, trabalhando no modo delivery, saíssem de suas lojas e se juntassem a eles. Muitos comerciantes aderiram à manifestação e seguiram em caminhada.

O movimento parou em frente ao santuário de Nossa Senhora da Piedade, na Praça dos Andradas, onde os participantes fizeram orações. Logo depois eles seguiram para a frente da Câmara Municipal, cantaram o Hino Nacional e falaram, através de um carro de som, sobre suas reivindicações, afirmando que o fechamento do comércio se mostrou ineficaz no combate à proliferação do Coronavírus. Houve também minuto de silêncio em homenagem às 155 pessoas que perderam a vida por causa de complicações relacionadas à Covid-19 em Barbacena.

Confira abaixo algumas imagens e um vídeos da manifestação, enviados por Carlos Henrique e Elaine Aguiar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *